Início  >  Saramugo  >  Espécies piscícolas autóctones
Espécies Piscícolas Autóctones

SARAMUGO




Nome cientifico: Anaecypris hispanica

Nome Vulgar: Saramugo, Pardelha
 

Descrição: O saramugo (Anaecypris hispanica) é um pequeno peixe da família dos ciprinídeos (raramente ultrapassam os 7cm de comprimento total), é uma espécie endémica do setor meridional da Península Ibérica. O corpo é estreito e comprimido lateralmente, apresenta escamas pequenas e finas e a sua coloração de tons prateados e rosados tem pontuações negras nos flancos. A cabeça é pequena, com olhos grandes que quase tocam o perfil dorsal da cabeça e boca supera. As fêmeas geralmente apresentam maiores dimensões que os machos.
 

Época de reprodução: entre Abril e Maio (máximo de 100 oócitos por postura).
 

Dieta: baseia-se essencialmente em macroinvertebrados, podendo ainda alimentar-se de plantas, algas e detritos.
 

Estatuto: CRITICAMENTE EM PERIGO




 

BORDALO



Nome científico: Squalius alburnoides
 

Nome vulgar: Bordalo
 

Descrição: a maioria dos individuos desta espécie são hibridos que apresentam diferentes ploidias - diplóides (2n=50), triplóides (3n=75) e tetraplóides (4n=100) que não são distinguiveis morfologicamente. Contudo os individuos triplóides são aqueles que atingem maiores dimensões (cerca de 13cm) quando comparados com individuos diplóides e os tetraplóides que raramente ultrapassam os 9cm de comprimento. De um modo geral o corpo do bordalo é mais estreito nos diplóides e tetraplóides do que nos triplóides, a cabeça é pontiaguda e apresenta uma boca sem barbilhos, em posição terminal. As escamas são de tamanho médio e imbricadas. A coloração da região dorsal é mais escura quando comparada com a região ventral. Os flancos são prateados e apresentam (acima da linha lateral) uma banda negra mais visivel na parte terminal.
 

Época de reprodução: entre Abril e Junho.
 

Dieta: essencialmente insectivora.
 

Estatuto: VULNERÁVEL



 

ESCALO DO SUL


Nome cientifico: Squalius pyrenaicus
 

Nome vulgar: Escalo do Sul
 

Descrição: O seu corpo é robusto e raramente ultrapassa os 20cm de comprimento. A cabeça é grande e apresenta uma boca em posição terminal. Não possui barbilhos, e as suas escamas são de tamanho médio e exibem uma pigmentação escura no bordo externo.
 

Época de reprodução: Entre Abril e eventualmente os meses de Julho/Agosto.
 

Dieta: essencialmente insectívora e mais raramente de moluscos, anfíbios, crustáceos e peixes.
 

Estatuto: EM PERIGO



 

BOGA DO GUADIANA



Nome científico: Pseudochondrostoma willkommii

Nome vulgar: Boga do Guadiana
 

Descrição: O corpo é alongado e estreito podendo atingir no máximo os 25cm de comprimento. A boca é infera e retilinea, sendo o lábio inferior constituído por uma lâmina córnea bem desenvolvida, (que usa para raspar o substrato para se alimentar), o focinho é proeminente. As escamas são muito pequenas e em grande número.
 

Época de reprodução: Inicia-se em Março, podendo proloongar-se até Maio/Junho (dependente da variação da temperatura, entre os 15-17ºC).
 

Dieta: possui hábitos bentónicos, alimentando-se essencialmente de detritos vegetais e ainda de macroinvertebrados.
 

Estatuto: VULNERÁVEL



 

BOGA DE BOCA ARQUEADA




Nome científico: Iberochondrostoma lemmingii
 

Nome vulgar: Boga-de-boca-arqueada
 

Descrição: Corpo alongado, um pouco achatado, com o perfil dorsal levemente convexo. Escamas reduzidas e imbricadas. A boca é ligeiramente arqueada e ínfera, com o maxilar superior mais desenvolvido do que o inferior, não possuem barbilhos.
 

Época de reprodução: Fevereiro e Abril/Maio.
 

Dieta: Essencialmente detritos, fanerogâmicas, algas e zooplacton.
 

Estatuto: EM PERIGO



 

BARBO DE STEINDACNHER




Nome científico: Luciobarbus steindachneri
 

Nome vulgar: Barbo de Steindachner; Picão
 

Descrição: Corpo alongado e comprimido lateralmente, podendo ultrapassas os 40cm de comprimento. O perfil dorsal do corpo é convexo, a cabeça (também com perfil convexo) é de tamanho médio. A boca é ínfera com barbilhos de tamanho médio. O perfil da barbatana dorsal é côncavo. Possui escamas numerosas e pequenas.
 

Época de reprodução: Março até Maio/Junho (dependente da temperatura da água - 18-20ºC).
 

Dieta: Generalista, sendo os macroinvertebrados o alimento predominante.
 

Estatuto: QUASE AMEAÇADO



 

BARBO DO SUL



Nome científico: Luciobarbus sclateri
 

Nome vulgar: Barbo do Sul
 

Descrição: Corpo alongado e comprimido lateralmente, podendo atingir 40cm de comprimento total. Os olhos estão afastados do perfil dorsal da cabeça. O perfil dorsal do corpo é convexo e o perfil ventral é praticamente rectilineo. Cabeça de tamanho médio e boca ínfera com lábios grossos com 4 longos barbilhos. As escamas são relativamente grandes.
 

Época de reprodução: Abril/Maio e Junho/Julho.
 

Dieta: Omnívora, composta por macroinvertebrados aquáticos, algas, e detritos orgânicos.
 

Estatuto: EM PERIGO



 

BARBO-DE-CABEÇA-PEQUENA




Nome científico: Luciobarbus microcephalus
 

Nome vulgar: Barbo-de-cabeça-pequena; Buceiro

Descrição: Corpo alongado. Os olhos estão localizados próximo do perfil dorsal da cabeça, que é convexo. A cabeça é pequena e a boca ínfera com barbilhos curtos em relação ao tamanho da cabeça. Escamas pequenas e numerosas. Pode atingir o comprimento máximo de 50cm.
 

Época de reprodução: Março-Abril/Maio (depende da temperatura da água, 18-20ºC).
 

Dieta: Generalista, sendo os macroinvertebrados e o material vegetal os alimentos predominantes.
 

Estatuto: QUASE AMEAÇADO



 

CUMBA

 

Nome científico: Luciobarbus comizo
 

Nome vulgar: Cumba
 

Descrição: Corpo alongado, cabeça e focinho grandes. Os olhos são tangentes ao perfil dorsal da cabeça, o qual é rectilíneo ou ligeiramente concâvo. A boca é larga e terminal, com barbilhos curtos relativamente ao tamanho da cabeça. As escamas são pequenas e numerosas. De todas as espécies de barbos que existem na Península Ibérica, o cumba é a que atinge maiores dimensões, podendo ultrapassar o 1 m de comprimento.
 

Época de reprodução: Maio-Junho
 

Dieta: Essencialmente macroinvertebrados e detritos, podendo ocasionalmente predar pequenos peixes.
 

Estatuto: EM PERIGO



 

CABOZ-DE-ÁGUA-DOCE








Nome científico: Salaria fluviatilis
 

Nome vulgar: Caboz-de-água-doce
 

Descrição: Corpo alongado e mole, desprovido de escamas, barbatana dorsal muito longa e anal longa. A cabeça é alta e móvel, possui um pequeno tentáculo sobre o olho e dentes nos maxilares. Peixe de pequenas dimensões, raramente ultrapassa os 12cm de comprimento. Os machos adultos dominantes possuem uma crista na parte superior da cabeça (ver ilustração), por oposição às fêmeas.
 

Época de reprodução: Maio-Agosto.
 

Dieta: Essencialmente macroinvertebrados e insetos,  ocasionalmente pequenos peixes.
 

Estatuto: EM PERIGO



 

VERDEMÃ




Nome científico: Cobitis paludica
 

Nome vulgar: Verdemã
 

Descrição: Corpo serpentiforme comprimido lateralmente, de um modo geral nunca ultrapassa os 12 cm de comprimento total.Possui escamas de pequenas dimensões e profundamente inseridas na pele. A boca é pequena e ínfera com 3 pares de barbilhos. Possui dimorfismo sexual, os machos são geralmente mais pequenos, com o segundo raio da barbatana peitoral ossificado (chamada a escama de Canestrini ou lamina circularis).
 

Época de reprodução: Maio- Julho
 

Dieta: Carnívora e/ou detritívoro, alimentando-se essencialmente de larvas de insetos, outros invertebrados, largas e detritos.
 

Estatuto: POUCO PREOCUPANTE
 

Nem só de peixes vive a ribeira
Rã verde (Pelophylax perezi) Larva de odonata Cobra rateira juvenil (Malpolon monspessulanus) Cobra rateira juvenil (Malpolon monspessulanus) pormenor da cabeça Rã verde (Pelophylax perezi) Cágado mediterrânico (Mauremys leprosa) Cobra-de-água-viperina (Natrix maura) Girinos de rã verde (Pelophylax perezi) Lagostim vermelho do Louisiana (Procambarus clarkii) Maçarico-bique-bique (Tringa ochropus)
Top